Uma pesquisa da Universidade de Liverpool, na Inglaterra, mostrou que a maioria das pessoas, ao aplicar o produto no rosto, deixou pelo menos 10% da região desprotegida. E o resultado não foi diferente em se tratando do restante do corpo.

Quer ver como você também pode estar entre essas pessoas, mesmo não fazendo parte do grupo de estudos da Inglaterra? Uma pesquisa feita pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) diz que 62% dos brasileiros não usam protetor solar (o que é bastante grave) e, entre os que usam o produto, somente 25% fazem a aplicação corretamente.

Para deixar isso mais claro, vamos fazer um teste bem simples! Lembre-se da última vez que aplicou o protetor solar para ir à praia, à piscina ou simplesmente sair de casa e veja se estavam inclusas as seguintes regiões do corpo:

  • Toda a extensão dos braços, inclusive a parte interna; toda a extensão das pernas, até atrás do joelho; dorso das mãos; couro cabeludo; orelhas (dentro e atrás); nuca; região do pescoço e do colo (onde fica o decote da blusa), lábios, pálpebras e pés.

 

Hora de saber o resultado

Se você respondeu “não” a pelo menos quatro locais, volte duas casas e comece a aplicar o filtro solar novamente, porque a tarefa não foi feita com eficiência.

Ainda de acordo com a SBD, o ideal é que todas as partes do corpo, inclusive as mais escondidas, fiquem cobertas com uma camada fina do produto. Na presença de cicatrizes recentes e tatuagens, essa camada pode ser reforçada.

A quantidade varia de acordo com estatura e peso de cada um, mas a referência é aplicar 1 colher (chá) para o rosto e pescoço, 1 colher (sopa) para a parte da frente do tronco e 1 colher (sopa) para a parte das costas, 1 colher (sopa) para os braços e 1 colher (sopa) para as pernas.

Na hora de escolher o produto, fique com aquele com FPS de pelo menos 30, tanto para o corpo quanto para o rosto. Se tiver a pele mais clarinha, invista em FPS a partir de 50 para o rosto. E se o sol estiver escaldante, vale buscar os fatores de proteção mais altos.

Ao fazer a compra do produto, levar em conta o seu tipo de pele é importante. Até porque, a variedade é muito grande e isso pode induzir você ao erro.

 

Aprenda a identificar o protetor solar ideal para você!

Vamos às dicas dos especialistas da SBD para fazer uma boa escolha?

  • Se você tem pele oleosa, deve evitar os produtos mais gordurosos, então, fique com as formulações em gel e/ou sérum;
  • O contrário vale para quem tem a pele ressecada: os produtos mais “grossinhos” são os mais indicados, porque gel e sérum podem piorar o problema;
  • Se escolheu um filtro solar em forma de mousse ou spray, atenção: a aplicação deve acontecer com mais frequência ao longo do dia, porque essas fórmulas não atingem as camadas mais profundas da pele.

E aquele conselho básico de se evitar o sol nos horários de pico (entre 10h e 16h) é sempre válido, assim como aquele de se completar a proteção solar com chapéus, óculos escuros e roupas leves.

Ah, e para quem se empolgou com o clipe da cantora Anitta e seu biquíni feito com fita isolante, um alerta importante: a combinação do calor com esse material pode liberar resíduos químicos que trazem grande risco de alergias e lesões mais graves na pele.

Então, seja “malandra”, deixe a fita isolante para os reparos domésticos (até porque é para isso que ela foi criada) e vá para o sol com a indumentária correta.

E nunca é demais lembrar que tomar sol sem proteção colabora para o desenvolvimento de câncer de pele, o aparecimento de manchas, rugas e ainda pode provocar queimaduras, então, não dê bobeira!

 

Veja mais dicas de saúde no Blog Care Plus!