É isso mesmo: o modo de preparo dos alimentos pode influenciar seu valor nutritivo. Portanto, é um ponto fundamental a se considerar na hora de elaborar suas refeições. Até porque, quanto mais preservado o valor nutricional, mais saudável é a sua comida.
Só para ter ideia, vegetais crus têm mais nutrientes do que os que foram cozidos. No cozimento à vapor, a perda é menor do que em água fervente. Já as preparações fritas, refogadas ou ensopadas perdem mais do valor nutricional por conta da temperatura de preparação e ganham calorias pela adição de gorduras. Vamos saber mais!

Tudo começa nas compras

Pode parecer exagero, mas a modificação dos alimentos começa assim que eles são colhidos, já que a exposição ao ar e à luz interfere no valor nutricional. Quanto a isso, não há muito o que fazer, mas, na hora das compras, existem alguns truques para levar para a casa alimentos com maior quantidade de vitaminas, fibras e sais minerais.
Priorize os itens cujo armazenamento é feitosob refrigeração, pois isso já ameniza o fator “calor” na alteração do alimento. Além disso, prefira comprar pequenas quantidades, mais vezes na semana. Quanto menor for o tempo de exposição ao ambiente, menor será o contato do alimento com condições de degradação. Ou seja,adquirir frutas, verduras e hortaliças em grandes quantidades pode não ser uma boa ideia.

Veja mais:

Nutrição infantil: 10 passos da alimentação saudável
O chocolate amargo pode trazer benefícios para sua saúde

De olho no aquecimento!

Um estudo feito pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) avaliou técnicas de preparo dos alimentos e o teor de compostos bioativos (aqueles responsáveis por favorecer o funcionamento do organismo, ajudando a prevenir de doenças) em cada um deles, antes e depois de irem para o fogo. A conclusão foi que, de maneira geral, o cozimento a vapor é o que mais bem preserva o valor nutricional.
Quando se mergulha os alimentos em água fervente, a maior parte das vitaminas e mineraisfica na água. E isso se acentua ao longo do cozimento. Quanto mais tempo o alimento ferve, menos nutrientes ele guarda. Mas nem tudo está perdido: a água de cozimento (agora com alto valor nutricional) pode ser utilizada para a elaboração de caldos caseiros (substituindo os caldos artificiais) e em diversas preparaçõescomo sopas, risotos, entre outras.

Veja mais:

Aprenda a montar a marmita perfeita!

Acerte o tempero!

Além das perdas provenientes do aquecimento, ocorrem outras alterações na composição nutricional dos alimentos, principalmente devido ao acréscimo de outros ingredientes, como óleos e gorduras, que podem aumentar seu valor calórico.
Como sal, óleos, gorduras e açúcar são produtos usados para temperar e cozinhar alimentos (e, consequentemente, muito presentes na cozinha de todo mundo), seu impacto sobre a qualidade nutricional da alimentação dependerá essencialmente da quantidade utilizada nas preparações culinárias.
De acordo com especialistas do Ministério da Saúde, gorduras de origem animal, como a manteiga ou banha de porco, contêm grandes quantidades de gorduras saturadas, relacionadas a um maior risco de se desenvolver doenças (especialmente as cardiovasculares).
Já os óleos, como o de soja, girassol e canola, que são mesmo os mais utilizados na culinária, apresentam na composição uma maior quantidade de gorduras insaturadas – mais benéficas à saúde, desde que consumidas com moderação.

Sal e açúcar pedem atenção

Legumes em conserva (aqueles que ficam mergulhados em uma solução de água, sal e, às vezes, vinagre)também têm seu valor nutricional alterado. Cenoura, pepino, cebola, milho, ervilha, batata e tantos outros até preservam grande parte dos nutrientes do alimento in natura, mas contêm uma quantidade excessiva de sódio, o que já justifica a necessidade de moderação no consumo. Principalmente, se o objetivo é manter a pressão arterial controlada.
O mesmo vale para as frutas inteiras adicionadas de açúcar, como as cristalizadas e em calda. Elas também preservam grande parte dos nutrientes do alimento in natura, mas o processamento aumenta excessivamente o conteúdo em açúcar. Assim, devem ser consumidas em pequenas quantidades e como parte de preparações culinárias ou de refeições onde predominem alimentos in natura.

Veja mais:

Pressão alta também atinge jovens e crianças
Colesterol + Diabetes: um fator de risco ainda maior

Afinal, como manter o valor nutricional?

De acordo com o Ministério da Saúde, para manter os nutrientes dos alimentos e ainda ter uma alimentação saudável, prefira: alimentos crus e bem lavados, alimentos cozidos no vapor, preparados com pouca gordura e com pouco sal ou açúcar.
Outros alimentos que têm melhor aproveitamento de nutrientes quando consumidos crus são: frutas e vegetais frescos, frutas secas, sementes, grãos germinados (aveia, quinoa, trigo sarraceno e amaranto), castanhas (nozes, castanha-do-pará, amêndoas), legumes (beterraba, cenoura, cebola, couve-flor), alimentos orgânicos ou naturais que não foram processados e algas.

Conte com a gente!

Ainda tem dúvidas sobre como se alimentar bem? Os beneficiários da Care Plus têm acesso ao programa Nutricionista à Distância. Por meio dele é possível obter informações gerais de nutrição. Outra opção é fazer acompanhamento nutricional de onde estiver. Para ter direito, basta ter feito uma única consulta presencial em uma das clinicas do Personal System e então escolher entre ir à consulta ou ter atendimento on-line.

Quer ver mais dicas de saúde? Continue a visita pelo blog da Care Plus e assine o canal da Care Plus no Youtube.